Ciências Médicas

Medicina

Angina Instável

Autor: Tiago Silva

Licenciatura em Cardiopneumologia

Data de criação: 21/04/2015

Resumo: Apresentação do conceito de Angina Instável... A angina de peito, dor no peito, ou angina pectoris, é uma dor sentida no centro do tórax, que pode ser descrita como uma (...)

Palavras chave:  medicina

Para comentar ou colocar dúvidas sobre este artigo »»»

Importante: os textos desta secção são meramente descritivos e não constituem nem substituem aconselhamento médico.

 

Angina Instável

A angina de peito, dor no peito, ou angina pectoris, é uma dor sentida no centro do tórax, que pode ser descrita como uma sensação de ardor, pressão ou aperto. Essa dor geralmente aparece devido a insuficiência no fluxo de sangue que chega ao miocárdio, geralmente devido a processos de aterosclerose que se desenvolvem nas artérias coronárias. A deposição de placas devido à evolução da aterosclerose vai estreitar progressivamente as artérias, dificultando a passagem de sangue.

A angina instável pertence a um grupo de síndromes denominados de Síndromes Coronários Agudos, em que se inclui o Enfarte Agudo do Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST, Enfarte Agudo do miocárdio sem Supradesnivelamento do Segmento St e a Angina instável.

É difícil a distinção entre Angina Instável e Enfarte Agudo do Miocárdio sem Supradesnivelamento do Segmento ST, devido à semelhança de sintomas.

A angina instável difere da angina estável, na medida em que angina estável tem uma causa definida, como o esforço ou stress emocional, situações que exigem um maior funcionamento do músculo cardíaco e como tal maior aporte sanguíneo, que não é conseguido devido a estreitamento das coronárias por processos de aterosclerose.

No caso da angina instável, esta aparece sem causa aparente, podendo surgir em repouso. A duração do episódio de angina também é superior ao da angina estável, sendo superior a 20min (à semelhança do que acontece no Enfarte Agudo do Miocárdio).

A distinção entre Enfarte Agudo do miocárdio sem Supradesnivelamento de Segmento ST e angina instável vai ser com base na gravidade da isquémia causada, ou seja, se o dano ao miocárdio foi suficiente para causar necrose. No caso do enfarte, necrose irá ocorrer, enquanto que na angina instável isto já não acontece.

É através da análise dos biomarcadores cardíacos que teremos então a resposta. Se estes se apresentarem elevados, representam uma lesão do músculo cardíaco, confirmando assim o diagnóstico de enfarte; se por outro lado estes se apresentarem dentro dos limites normais, podemos estar perante um caso de angina instável.

 

Tratamento

O tratamento da angina instável vai ter como objectivo a atenuação ou remoção da sintomatologia, bem como prevenção da evolução para enfarte agudo do miocárdio.

Este tratamento habitualmente passa pela administração de nitroglicerina, um vasodilatador que vai alargar nomeadamente as artérias coronárias, provocando a diminuição dos sintomas.

A toma de aspirina também pode reverter os sintomas, e se tomada diariamente, pode reduzir o risco de evolução para enfarte agudo do miocárdio.

 

 

Procure outros termos na nossa enciclopédia